Notícias

POLÍCIA JUDICIÁRIA CIVIL

Operação 10º Mandamento prende 36 integrantes de facção criminosa em MT

14/03/2018 - 15:03

Assessoria | PJC-MT

A operação 10º Mandamento cumpriu 36 mandados de prisão contra integrantes de uma facção criminosa, envolvida em ataques a prédios públicos, incêndio e pichações na cidade de Barra do Garças (509 km a Leste). A operação foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (14.03) para cumprimento de 51 ordens judiciais (38 mandados de prisão e 13 buscas) em cidades de Mato Grosso, Goiás e Paraná.

O balanço da operação foi apresentado, nesta manhã, em  coletiva de imprensa, na sede da Secretaria de Estado de Segurança Pública, com a presença dos representantes das instituições de segurança (Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Politec e Detran) e da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

Ao longo de 18 meses, as investigações conduzidas pela Delegacia Regional de Barra do Garças e a Gerência de Combate do Crime Organizado (GCCO) identificaram que os criminosos estavam articulados para cometimento de crimes ordenados de dentro de unidades prisionais do Estado de Mato Grosso.

Os mandados de prisão foram expedidos pela Vara do Crime Organizado (7ª Vara) contra 24 integrantes encarcerados e 14 soltos. Em Mato Grosso, as ordens de prisão foram cumpridas em Barra do Garças (11 pessoas que já estavam presas e 09 soltas), Rondonópolis (01 reeducando), Água Boa (07 reeducandos e 03 soltos) e Cuiabá (08 lideranças- sete detentos e um solto).

Os criminosos foram notificados das ordens por policiais das regionais instaladas nessas cidades, Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), em trabalho conjunto com o Sistema Penitenciário, da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

Entre os criminosos que tiveram mandados cumpridos estão: Renildo Silva Rios (Snype), considerado líder da organização, que está preso no presídio de segurança máxima de Catanduvas, no Estado do Paraná; Ademir de Assis Campos (Japa), com grande poder de articulação, preso na Penitenciária Central do Estado (PCE); Gilson Rodrigues dos Santos (Tião/Russo), responsável pelas finanças e preso na PCE; Wanderson Pinheiro de Souza (Cajú), recurso humanos, condenado a 40 anos, portador de tornozeleira, que foi preso em Cuiabá, no bairro Jardim Cuiabá, além de duas mulheres e outros dois homens, que estão com tarefas de liderança da organização.  

O delegado titular do GCCO, Diogo Santana, esclareceu que mesmo o criminoso já estando preso, um novo mandado de prisão possibilitará mais mais uma condenação na vida dele. “É o mais tempo de prisão que terá cumprir. O crime de integrar organização criminosa é muito grave, uma pena que pode chegar até oito anos de reclusão, só por integrar organização. Aquela pessoa que se identifica como membro de organização criminosa, seja por aplicativo de celular, seja por pichações em muro, só por dizer que é integrante de organização criminosa, já está sujeito a pena de oito anos, mais a pena do crime que cometer por integrar a organização”, explicou.  

Investigação

As investigações iniciaram na cidade de Barra do Garças (MT), quando ações delitivas foram orquestradas por essa organização criminosa, em face de órgãos da Segurança Pública (incêndio das viaturas do Sistema Socioeducativo).

A operação representa o início de medidas de combate ao crime organizado, em resposta às ações da suposta facção existente no interior dos presídios, que teria, em maio de 2016, comandado disparos de arma de fogo na 1ª Delegacia de Polícia e da Delegacia da Mulher de Barra do Garças, pichações na cela do prédio do Fórum  de Barra do Garças, e  outros locais públicos, e na sequência o incêndio, com uso de coquetel conhecido por “Molotov”, na casa de um agente penitenciário de Barra do Garças, como sinais de retaliação às ações de enfrentamento realizadas sob o comando da Secretaria de Segurança Pública (Sesp) e da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

“É um estrutura criminosa que não se limitou a esses ataques planejados e orquestrados na cidade de Barra do Garças. Eles emanavam ordens para prática de delitos em todo o Estado de Mato Grosso. As ações pontuais, objeto das investigações, diz respeito a fatos pontuais de Barra do Garças, mas eles emanavam para práticas delitivas de outras situações que estão sendo investigadas, paralelas a essa”, disse o delegado de Barra do Garças, Joaquim Leitão.

A operação “10º Mandamento” é uma resposta enérgica dos órgãos da Segurança Pública (Sesp e Sejudh), com foco em reprimir e desestruturar o crime organizado. Agentes da Sejudh auxiliam com buscas e revistas minuciosas, nos interiores das Cadeias e Presídios, visando neutralizar e desmantelar a organização criminosa.

O secretário de Estado de Segurança Pública, Gustavo Garcia Francisco, disse que o compromisso das instituições de segurança (Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Politec e Detran) é salvaguardar o cidadão de bem.  “É mais uma ação sigilosa, precisa, técnica que busca desarticular uma organização criminosa, que atua no Estado de Mato Grosso. Nós, o setor de inteligência, continuará reprimindo, de forma firme, as organizações criminosas que atuam em nosso estado. Nosso compromisso é garantir a segurança pública de todos”, afirmou.

O secretário Justiça e Direitos Humanos, Fausto José Freitas da Silva, destacou que o Estado, por meio da secretaria, vem buscado meios para dificultar a proliferação das organizações criminosas, principalmente, dentro das unidades. “Temos uma estratégia que será colocada em prática para dificultar a comunicação dessas  pessoas de organizações, seja com pessoas dentro da unidade ou com pessoas que estão fora. Até mesmo a transferência de pessoas ligadas as organizações para unidade federais é cogitada. Aproveitamos de informações como essa para solicitar vagas para presídios federais”, disse.

Por sua vez, o delegado geral, Fernando Vasco Spinelli Pigozzi, enalteceu o trabalho desenvolvido não somente pela Gerência de Combate ao Crime Organizado, mas também pelas Delegacias Especializadas da Capital e as unidades das Delegacias Regionais do interior, a exemplo da operação 10º Mandamento, desencadeada nesta quarta.

“Tivemos grandes operações contra organizações criminosas, todas com apoio da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil. O investimento na inteligência policial, em levar as regionais essa condição e capacidade para os policiais que estão na ponta, que conhece os criminosos que lá atuam, a segurança que ganha com isso”, avaliou.

 

A PJC também está no Facebook, Flickr e Instagram. Siga-nos!

Assessoria de Comunicação Social
www.pjc.mt.gov.br
asscom@pjc.mt.gov.br
(65) 3613-5673

Compartilhe essa notícia