Pular para o conteúdo
Voltar

Polícia Civil prende homem por agredir a companheira e por fazer uso de documento falso

Assessoria | Polícia Civil-MT

A | A

A Polícia Civil de Sorriso (420 km ao norte de Cuiabá), por meio do Núcleo de Violência Doméstica e Crimes Sexuais, prendeu em flagrante nesta quarta-feira (04.05), um homem por lesão corporal e ameaça no âmbito da Lei Maria da Penha.

O suspeito de 38 anos também foi autuado pelos crimes de uso de documento falso e falsidade ideológica.

As diligências iniciaram logo após a vítima de 26 anos comparecer na Delegacia de Polícia para registrar a ocorrência. Ela contou que foi agredida fisicamente pelo companheiro, com tapa na cara e puxão de cabelo, e ainda foi ameaçada de morte.

Ao procurar a Polícia Civil a vítima manifestou o interesse de representar criminalmente pelas ameaças sofridas, bem como requereu as medidas protetivas estabelecidas na lei de crimes de violência doméstica e familiar.

Conforme a mulher, o suspeito é bastante ciumento ao ponto de não deixar ela ter amizade com ninguém, e não gosta que a companheira frequente academia de ginástica. Ao ser ouvida, a vítima contou que sempre é agredida pelo companheiro e está cansada de sofrer.

Ato contínuo os policiais civis realizaram buscas e localizaram o suspeito que é natural do Estado da Bahia. Durante a abordagem, ele não apresentou nenhum documento de identificação impresso, apenas mostrou pelo celular a foto de uma carteira nacional de habilitação (CNH) em seu nome.

No entanto, foi solicitado apoio à Polícia Civil baiana para confirmar a verdadeira identidade do suspeito, ocasião em que foi descoberto que os  dados que constavam na suposta CNH pertencia a outro homem.

Questionado, o suspeito assumiu que a CNH com a sua foto possuía dados pessoais falsos, e havia adquirido o documento falso em São Paulo pelo valor de R$ 2,5 mil.

Diante dos fatos, o agressor foi conduzido até a Delegacia de Sorriso, interrogado e autuado em flagrante por lesão corporal e ameaça no âmbito da violência doméstica e familiar, e por uso de documento falso e falsidade ideológica.

Após a confecção dos autos, o preso foi apresentado e colocado à disposição da Justiça.